Quarta, 18 de Maio de 2022 19:02
67 99698-9354
Polícia TIRO PELA CULATRA

Delegado "cai" após dar tiros em carro da jovem

Caso será investigado por Corregedoria da Polícia Civil e Ministério Público do Estado; moça de 24 anos vê “justiça” no afastamento do ex-delegado-geral

20/02/2022 06h01 Atualizada há 2 meses
217
Por: Redação
Delegado

Dois dias após a discussão por incidente no trânsito envolvendo o delegado-geral da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, Adriano Garcia Geraldo, e uma profissional da moda que teve três pneus do carro estourados por tiros disparados pelo policial, caiu o chefe da histórica instituição.  

Ao saber da notícia, a jovem de 24 anos disse que já estava enxergando a “justiça sendo feita” e que sentia-se aliviada com a saída do delegado.  

O Correio do Estado, em primeira mão, publicou em seu Portal, na manhã de sexta-feira, que o episódio havia derrubado o diretor-geral. 

À tarde, a confirmação manifestou-se por meio de um comunicado, assinado por Adriano Geraldo, enviado para o governador Reinaldo Azambuja, do PSDB. 

O delegado, chefe da Polícia Civil de MS, escreveu que, “em caráter irrevogável e irretratável” e por motivos sucintamente expostos, pedia a “dispensa da função ora exercida”. 

Diz também o comunicado do policial: “Considerando que, por questões de cunho pessoal e familiar, opto por colocar à disposição de Vossa Excelência a função em apreço, cujos motivos que ensejaram a presente tomada de decisão serão esclarecidos pessoalmente em momento oportuno”. 

Embora o delegado-geral tenha pedido dispensa, era quase certa sua saída da direção da Polícia Civil. 

É que assim que a Corregedoria da PC abrisse investigação acerca do episódio que o envolveu, por regra, o delegado deveria ser afastado da função de chefia. Foi o que disseram as fontes especializadas no assunto, ouvidas pela reportagem. 

Além da Corregedoria, o caso também já é investigado pelo Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPMS). 

No fim da nota, Adriano Geraldo agradeceu ao governo pelo cargo, que ocupou por um ano: 

“Aproveito o ensejo para externar os sinceros agradecimentos pela confiança e apoio dispensados por Vossa Excelência e equipe no período em que este signatário esteve à frente da Delegacia-Geral da Polícia Civil, ressaltando que permanecerá à disposição exercendo com muita honra o cargo de delegado”, encerrou o policial. 

O CASO

Na quarta-feira à noite, na Avenida Mato Grosso, em Campo Grande, o delegado-geral de MS perseguiu uma jovem de 24 anos, no trânsito, depois de irritar-se com o carro dela, cujo motor apagou. Isso ocorreu em um sinaleiro. 

O delegado, que estava atrás do carro da jovem, buzinando, irritou-se ainda mais depois que a mulher, já zangada com o barulho e tentando religar o carro, mostrou o dedo médio para ele. O gesto perturbou o policial, que quis abordar ali mesmo a motorista. Ela tentou fugir.  

Houve perseguição, que terminou na calçada de uma escola de idiomas. 

Antes do fim do encalço, contudo, Adriano Garcia Geraldo, o chefe dos policiais civis de MS, que estava em um Hyundai Elantra descaracterizado, furou – à bala – os três pneus do carro da jovem, apontou a arma para ela e, ainda, mobilizou pelo menos sete outros policiais civis e militares. 

Acuada, a moça resistiu a sair do carro, enquanto o delegado gesticulava, demonstrando descontrole, mostram as imagens captadas da cena, que devem ser juntadas às investigações de Polícia Civil, Corregedoria e MPMS. 

A jovem disse ao Correio do Estado que se assustou com os tiros e a perseguição, afinal, ela “jamais” pensou em se tratar de policial, que conduzia um carro descaracterizado. 

Mesmo com o delegado na porta de seu carro e outros militares ao redor, ela resistiu a abrir a porta por alguns minutos. Ela disse ao Correio do Estado que, antes de descer, avisou a mãe sobre o acontecimento e pediu a uma amiga que fosse lá socorrê-la. 

A profissional da moda só saiu do carro ao ver a amiga. Dali, ela foi para delegacia, por volta de 19h. A jovem disse ter ficado por lá até a meia-noite. 

Na audiência com o delegado de plantão, a estilista calou-se por orientação do advogado e disse que tratará do assunto em juízo.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias