Quinta, 09 de Julho de 2020 20:07
67 99698-9354
17°

Alguma nebulosidade

Campo Grande - MS

Dólar com.

R$ 5,34

Euro

R$ 6,03

Peso Arg.

R$ 0,08

Anúncio
Politica Nacional MORO

MORO PEDE DEMISSÃO e lamenta: ‘Bolsonaro tinha prometido carta branca para combater corrupção’

MORO PEDE DEMISSÃO e lamenta: ‘Bolsonaro tinha prometido carta branca para combater corrupção’

24/04/2020 21h24 Atualizada há 2 meses
57
Por: Redação
MORO PEDE DEMISSÃO e lamenta: ‘Bolsonaro tinha prometido carta branca para combater corrupção’
O ex-juiz federal e pai da Operação Lava Jato, Sérgio Moro, anunciou nesta sexta-feira (24) que deixa o Ministério da Justiça porque Jair Messias Bolsonaro exonerou o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, supostamente porque investigações de combate à corrupção estariam ameaçando um dos filhos do Presidente da República. Moro convocou entrevista e pediu desculpas por fazer a coletiva durante a pandemia. ‘Não foi por minha opção’, explicou ao anunciar a demissão. Moro ainda criticou a postura do presidente Jair Bolsonaro em não deixá-lo nomear o chefe da Polícia Federal, criticando o que teria sido uma quebra de promessa do presidente. “Num domingo qualquer, lembro que Valeixo recebeu uma ordem de soltura ilegal do ex-presidente Lula, condenado por corrupção e preso, emitida por um juiz incompetente. Foi graças a autonomia de Valeixo que ele comunicou as autoridades e foi possível rever a ordem.” Em outro trecho da coletiva, Moro criticou a falta de autonomia da Polícia Federal na gestão de Bolsonaro. “Foi garantida a autonomia da Polícia Federal durante as investigações. O governo da época [Dilma Rousseff, PT] tinha inúmeros defeitos, crimes de corrupção, mas foi fundamental a manutenção da autonomia da PF para que fosse realizado o trabalho.” “No fim de 2018, recebi convite de Bolsonaro, recém-eleito. Fui convidado a ser ministro da Justiça e Segurança Pública. Foi conversado que teríamos o compromisso com o combate à corrupção, crime organizado e criminalidade violenta. Foi-me prometido carta branca para nomear todos os assessores como a PRF e a PF.”, destacou. O ex-ministro também destacou que Bolsonaro mentiu ao dizer que Valeixo pediu a demissão. “Eu fiquei sabendo pelo Diário Oficial. Não assinei essa demissão e não posso concordar com essa mentira”, criticou. Moro pontuou que não entendeu a demissão do diretor da Polícia Federal. “Presidente passou a insistir na troca do diretor-geral (Valeixo). Eu falei para ele que precisava de uma causa, como erro grave, insuficiência de desempenho. Mas o que eu via era um trabalho bem feito.” “Eu escolhi o diretor-geral da PRF tecnicamente. O que não é aceitável são indicações políticas. Quando se começa a preencher cargos técnicos por questões políticas, o resultado não é bom”, destacou.

Fake news

Deputados da ala do presidente chegaram a dizer que os rumores de demissão de Moro eram fake news nesta quinta-feira. Mais cedo, a hashtag #BolsonaroTraidor foi uma das mais usadas no Brasil, antes mesmo do anúncio em entrevista coletiva. O ministro confirmou que foi pego de surpresa com a exoneração – que não ocorreu “a pedido” como diz o Diário Oficial – e ficou indignado. Ele não assinou a demissão e não esperava que isso ocorresse nesta sexta. Como o cargo é de livre nomeação do presidente, o ministro não precisaria assinar o despacho.
Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias